Confirmado primeiro caso de febre Chikungunya em Rondônia

Enviar no WhatsApp
Menina de 9 anos, moradora de Vilhena, viajou à Venezuela em novembro.Epidemiologia diz que medidas de barreira e prevenção já foram tomadas.

A Vigilância Epidemiológica de Vilhena (RO), município distante 700 quilômetros de Porto Velho, confirmou o primeiro caso importado da febre chikungunya atendido na cidade. De acordo com a Agência Estadual de Saúde de Vigilância em Saúde de Rondônia (Agevisa), esta é a primeira ocorrência no estado de Rondônia. A vítima é uma menina de 9 anos que esteve de férias na Venezuela em novembro deste ano e, ao retornar da viagem, apresentou os sintomas da doença e precisou ficar internada.


O exame feito no laboratório Evandro Chagas, em Belém (PA), confirmando a febre chikungunya de forma aguda, foi entregue à Secretaria de Saúde de Vilhena às vésperas do Natal, O material de coleta foi enviado para o estado paraense no último dia 19 de novembro. No mês passado, foi realizado um exame de dengue pelo Laboratório Central de Rondônia (Lacen-RO), que também deu positivo.

Ao G1, o setor de epidemiologia do município informou que são raros os casos em que a pessoa contrai febre chikungunya e dengue ao mesmo tempo. Após a confirmação da doença, a criança passou por um atendimento médico, mas, conforme a Secretaria Municipal de Saúde, a menina está passando bem e não tem apresentado dores.

Barreiras

A vigilância epidemiológica do município esclarece que a doença em Vilhena é um caso importado, isto é, a paciente pegou a doença em outra região e não no município. De acordo com a Secretaria de Saúde, todas as medidas de prevenção foram tomadas assim que o caso da menina foi considerado suspeito.

O bloqueio foi uma das atividades adotadas pela Epidemiologia de Vilhena. Segundo Edinaldo Lira Cavalcante, coordenador estadual da dengue e chikungunya, o estado se colocou à disposição do município para um eventual reforço. "Eles nos informaram que estão tomando as medidas necessárias e acreditamos que a doença já foi bloqueada nessas atividades. Mas, se mesmo assim precisarem da gente, estaremos de prontidão", explica.

Prevenção

A Secretaria de Saúde pede para que a população de Vilhena evite deixar água parada nos fundos das residências. Segundo o Ministério da Saúde, o mosquito transmissor da dengue, o Aedes Aegypti, também pode transmitir a chikungunya.

Entre as atividades de prevenção feita no município estão a capacitação da vigilância epidemiológica, laboratoriais, distribuição de protocolos clínicos na área hospitalar e acionamento do plano de contingência para dengue e chikungunya.

A doença

O vírus chikungunya foi identificado pela primeira vez entre 1952 e 1953, durante uma epidemia na Tanzânia. Mas casos parecidos com essa infecção – com febres e dores nas articulações – já haviam sido relatados em 1770. O agente transmissor é o mosquito Aedes aegypti, mesmo causador da dengue.

Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina, acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dor de cabeça, dor muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença são as intensas dores articulares.

Jonatas Boni
Do G1 RO

    Opiniões
    Opiniões

0 Comentários:

Postar um comentário

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br