Desembargador nega liberdade à jovem que executou mototaxista em Porto Velho

Enviar no WhatsApp
O magistrado Hiram Souza Marques, da 1ª Câmara Criminal, não levou em consideração os argumentos da defesa de Arilson Galdino dos Santos, que é réu confesso


Arilson Galdino (foto), confessou ter matado o mototaxista Manoel de Lima Pires

Porto Velho, RO – O desembargador Hiram Souza Marques, da 1ª Câmara Criminal, indeferiu habeas corpus impetrado pela advogada do jovem Arilson Galdino dos Santos, de apenas 18 anos, que confessou ter executado um mototaxista em Porto Velho para roubar sua moto.

Leia mais em – Jovem confessa ter matado mototaxista em Porto Velho

Foi argumentado no pedido que quando foi decretada a prisão de Galdino, ele já havia sido identificado, e inclusive confessado espontaneamente perante a autoridade policial a autoria do crime.

A defesa ainda salientou que o garoto tem residência fixa, é estudante do 2º ano do Ensino Médio, réu primário e não registra antecedentes criminais, requisitos que, em tese, possibilitariam sua liberdade provisória.

Ao fim requereu que fosse concedido o habeas corpus em caráter liminar, expedindo-se o competente alvará de soltura.

A decisão 

Antes de indeferir o pedido, o magistrado destacou:

– Inicialmente tem-se que esta fase processual, frente a natureza excepcional da medida cautelar, requer relevante convencimento através das circunstâncias fáticas que devem ser capazes de conduzir à concessão do pedido liminar de forma inconteste. No entanto, da análise das razões apresentadas pelo impetrante, não se extrai a relevância capaz de conduzir à concessão do pedido liminar pleiteado. A decisão que indeferiu o pedido de liberdade provisória foi fundamentada visando assegurar a ordem pública, a conveniência do regular desenvolvimento da persecução penal e, garantir a aplicação da lei penal – disse Marques.

E concluiu:

– Portanto, em análise perfunctória, revela-se legítima a sua custódia, haja vista a existência de decisão fundamentada, prolatada por autoridade judiciária competente. Ante o exposto, indefiro o pedido de liminar. Requisitem-se as informações que deverão ser prestadas em até 48 horas, por e-mail dejucri@tjro.jus.br ou malote digital, pela autoridade tida como coatora. Após, dê-se vista à Procuradoria de Justiça – finalizou o desembargador.

    Opiniões
    Opiniões

0 Comentários:

Postar um comentário

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br