Já são 11 de Estados com rodovias bloqueadas pelos caminhoneiros

Enviar no WhatsApp
Transportadores pedem redução no valor do óleo diesel, uma tabela de preços mínimos para o frete e a saída da presidente Dilma

'Não queremos contato', diz caminhoneiro sobre negociação com o governo federal. Greve de caminhoneiros quer gerar desgaste político, diz ministro


Caminhoneiros começaram a segunda-feira, 9, com bloqueios em várias estradas do País. Os transportadores pedem redução no valor do óleo diesel, uma tabela de preços mínimos para o frete e a saída da presidente Dilma Rousseff. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que até às 17h havia 47 manifestações de caminhoneiros, sendo cinco com interdição total da via e 22 bloqueios parciais. Na maioria dos pontos,  apenas os caminhões estão sendo retidos e o tráfego está liberado para carros, ônibus, ambulâncias e veículos com produtos perecíveis.

Bloqueio na ERS-122, em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul

Os protestos, que chegaram a ser registrados em 11 Estados, ocorriam em 10 regiões segundo a última autalização da PRF: Bahia, com quatro pontos de protesto, Espírito Santo (01), Goiás (05), Minas Gerais (04), Mato Grosso do Sul (02), Pernambuco (01), Paraná (08), Rio Grande do Sul (16), Santa Catarina (05) e Tocantins (01). Mais cedo, manifestantes também bloqueavam a BR-304, em Mossoró, no Rio Grande do Norte. A interdição foi desfeita.


Um dos líderes da categoria e organizador da paralisação, Ivar Schmidt afirma que a luta é pela renúncia da presidente. Ele está à frente do “Comando Nacional do Transporte” e garante que os caminhoneiros, agora, somente vão negociar “com o próximo governante”. A greve ganhou o apoio de grupos pró-impeachment como Movimento Brasil Livre e Vem pra Rua. 

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva
Greve de caminhoneiros quer gerar desgaste político, diz ministro

Mais cedo, o ministro da Secretaria da Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva, minimizou os efeitos do movimento afirmou que sua deflagração teria o "objetivo único de gerar desgaste político ao governo". 


Contra. Várias entidades que representam o setor se manifestaram contra esse movimento e veem interesses políticos por trás dessa paralisação. Para o Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Bens no Estado do Pará (Sindicam-PA), a greve é organizada “por pessoas que não fazem parte da categoria e estão aproveitando o momento de dificuldade que o País passa.”


Já a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens) diz que “os problemas que afetam a categoria são muitos e que, para resolvê-los, é preciso coesão e sabedoria”. Entidades de Goiás e Tocantins também assinaram, juntos, um documento contra a greve.


Principal alvo dos sindicatos, Ivar Schmidt tem 44 anos, mora em Mossoró (RN) e nega qualquer vínculo partidário. Caminhoneiro, ele começou a se destacar há um ano e, em 2015, criou o “Comando Nacional do Transporte”.

    Opiniões
    Opiniões

0 Comentários:

Postar um comentário

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br