Buscas por avião com proprietário da Big Sal são retomadas

Enviar no WhatsApp
Pouca visibilidade da água dificulta trabalho dos bombeiros no mar. 'Há chance dos desaparecidos estarem dentro do avião', diz coronel.

Os bombeiros retomaram nesta terça-feira (2) as buscas aos dois desaparecidos após a queda de um avião em Florianópolis nesta segunda-feira (1º). Eles suspeitam que as vítimas possam estar dentro do monomotor. Os destroços da aeronave devem servir de base para a investigação da Força Aérea Brasileira sobre as causas do acidente.


Conforme o coronel Edupércio Prates, até agora foram encontrados resquícios da carenagem, que é a parte externa do avião, e fragmentos dos bancos. A expectativa é encontrar as vítimas e a célula da aeronave, que a parte interna, onde está também o motor, que deve fornecer vários elementos para a investigação.

Avião e quatro embarcações

Três mergulhadores do Grupo de Buscas e Salvamento da Corporação (GBS) estão trabalhando nesta manhã. “O local tem uma profundidade de cerca de 25 metros, o que exige um mergulho conduzido, com mais vagar por razões de segurança. Além disso, a água tem pouca visibilidade, o que dificulta o trabalho dos bombeiros ”, explicou Prates.


Além do GBS, o helicóptero Arcanjo, com seis militares a bordo, sobrevoa a área próxima a Ilha do Campeche, onde o avião pode ter caído. Quatro embarcações da guarnição estão mobilizadas nesta manhã: um jet ski, dois botes e um barco.

Vítimas podem estar dentro de avião

De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), os militares aguardam um relatório da equipe de buscas sobre o que foi encontrado da aeronave para decidir se os elementos são suficientes para iniciar as investigações .

“Há uma chance de os dois desaparecidos estarem dentro do avião, porque a célula, que é a parte onde ficam as pessoas, é muito resistente e é mais difícil de se romper. Tudo isso, claro, vai depender da velocidade da queda, o ângulo. Além disso, é bem provável que ambos estivessem com cinto”, informou o coronel. O material recolhido até agora foi encaminhado à Base Aérea da capital catarinense.

Bombeiros avistaram destroços e manchas de óleo no mar (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Investigação

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que os destroços levados à Base Aérea de Florianópolis serão analisados por técnicos do Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa V), responsável pela investigação. O Seripa V tem sede em Canoas, no Rio Grande do Sul.

Em nota, a FAB afirma que técnicos do Seripa V "já trabalham com levantamento de dados (documentação, meteorologia, plano de voo, inspeções, etc). Ainda não é possível levantar hipóteses sobre os fatores que contribuíram para o acidente".

Quando forem analisar os destroços encontrados, os investigadores vão procurar por "indícios (sinais que auxiliam a compreender o comportamento da aeronave no momento do acidente). Caso necessário, algumas partes da aeronave poderão passar por testes", continua a nota da FAB.

Por fim, a Força Aérea afirma que não é possível definir um prazo para a conclusão de investigação. "No entanto, à medida que a equipe identifica um fator contribuinte, uma Recomendação de Segurança é emitida, com o objetivo de prevenir acidentes com as mesmas características".

Proprietário e piloto

No monomotor TBM700N estavam o empresário e fazendeiro Robson Guimarães, dono do monomotor, e o piloto Marlon Neves, que continuam desaparecidos. Os dois iam para Ji-Paraná, em Rondônia, de onde são as famílias deles e onde ficam os negócios de Guimarães. Ele havia se mudado para Florianópolis há cerca de um mês.

Queda

O monomotor, que tinha capacidade para seis pessoas, decolou às 5h15 do Aeroporto Internacional Hercílio Luz, na capital, e caiu aproximadamente três minutos depois, a seis milhas do aeroporto, perto da Ilha do Campeche.

Bombeiros encontraram destroços no mar (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

O sistema de controle aéreo da Aeronáutica acionou o Corpo de Bombeiros por volta das 5h30, porque os militares perderam o contato com a aeronave por radar e por rádio.
Em sobrevoo, os bombeiros avistaram do helicóptero Arcanjo destroços e manchas de óleo no mar. As coordenadas do local foram passadas para as equipes de buscas.

Do G1 SC

    Opiniões
    Opiniões

0 Comentários:

Postar um comentário

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br