Após pagar fiança de R$ 1 milhão de reais, Ronan Maria Pinto deixa prisão

Enviar no WhatsApp
Empresário colocou tornozeleira eletrônica e foi solto nesta sexta (8), no PR. Ele é acusado de receber dinheiro do esquema de corrupção na Petrobras.

O empresário Ronan Maria Pinto deixou a prisão nesta sexta-feira (8), por volta das 16h, após pagar fiança de R$ 1 milhão e colocar tornozeleira eletrônica. Preso preventivamente desde a 27ª fase da Operação Lava Jato, ele obteve decisão favorável em segunda instância e sai com liberdade condicional. Ele estava detido no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

Ronan Maria Pinto e Silvio Pereira, presos durante a 27ª fase da Operação Lava Jato, chegam ao Instituto Médico Legal (IML) para fazer o exame de corpo de delito, em Curitiba (PR) (Foto: Rodrigo Felix Leal/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Conforme a defesa do empresário, ele deverá permanecer em casa à noite e aos finais de semana. "Pedimos que a prisão fosse revogada e que ele cumprisse outra medida", esclarece o advogado Fernando José da Costa. De acordo com as investigações, Ronan Maria Pinto, empresário dono do jornal Diário do Grande ABC, recebeu R$ 6 milhões do esquema de corrupção na Petrobras.

A quantia, conforme o MPF, foi repassada por meio de um empréstimo de R$ 12 milhões feito pelo pecuarista José Carlos Bumlai junto ao Banco Schahin. Deste total, os outros R$ 6 milhões foram destinados a campanhas eleitorais com apoio do PT. Bumlai reconheceu em depoimento que fez o empréstimo de R$ 12 milhões a pedido do PT e disse que a quantia nunca foi paga ao banco. O MPF diz que a dívida do pecuarista foi, na verdade, um pagamento de propina da Schahin, cuja empresa de engenharia pertecente ao grupo fechou um contrato no valor de US$,1,6 bilhão para o aluguel de navios-sonda para a Petrobras.

Para chegar até Ronan Maria Pinto, os recursos foram enviados para outras empresas, disfarçando o destinatário final. O operador do mensalão Marcos Valério afirmou que o dinheiro foi pago a Ronan porque ele extorquia dirigentes do PT. O MPF sustenta que Ronan usou os recursos para comprar ações do Diário do Grande ABC, que estava ligando ele a denúncias da morte do ex-prefeito de Santo André Celso Daniel.

Ronan nega que tenha feito algum tipo de chantagem e disse que os recursos que recebeu tinham como objetivo pagar a compra de uma nova frota para a empresa de ônibus da qual também é proprietário. Ele é réu em uma ação penal perante o juiz Sérgio Moro na primeira instância da Justiça Federal, respondendo pelo crime de lavagem de dinheiro.

O G1 tenta contato com o advogado de Ronan, Fernando José da Costa. À época em que foi apresentada a denúncia, a defesa de Ronan Maria Pinto afirmou que iria comprovar que o empresário não cometeu crime financeiro. Segundo eles, todos os atos foram lícitos, em todas as operações financeiras indicadas pelo MPF.

Quer saber mais notícias do estado? Acesse G1 Paraná.
Do G1 PR

    Opiniões
    Opiniões

0 Comentários:

Postar um comentário

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br