Corpos de 3 brasileiras de 16, 21 e 28 anos são encontrados em poço em Portugal

Enviar no WhatsApp
Os corpos de três brasileiras que estavam desaparecidas desde o fim de janeiro foram encontrados nesta sexta-feira, no fundo de um poço de um hotel para cachorros nos arredores de Cascais, a 25 quilômetros de Lisboa. As jovens são as irmãs Michele Santana Ferreira, de 28 anos, e Lidiana Neves Santana, de 16, e a amiga delas, Thayane Milla Mendes, 21 anos. Segundo a imprensa portuguesa, Michele estava grávida de três meses.

temp

A operação policial que encontrou os corpos das jovens foi dirigida pela Polícia Judiciária de Portugal, que foi avisada sobre a localização dos corpos pela Interpol após a confissão do crime pelo namorado de Michele, Dinai Alves Gomes, à Polícia Federal no Brasil. “O alegado autor [dos crimes] já estava no Brasil e, através da investigação das autoridades portuguesas e brasileiras, o suspeito foi detido e foi possível localizar os corpos”, explicou o comandante dos Bombeiros, Pedro Araújo, ao jornal português Diário de Notícias.

De acordo com uma amiga das jovens, o brasileiro Dinai Gomes morava e trabalhava em Cascais, no hotel para cachorros onde os corpos foram encontrados. Ele voltou para o Brasil logo após o desaparecimento das mulheres, sem dar informações para seus empregadores. Segundo familiares das irmãs assassinadas, uma amiga revelou que Gomes costumava ser agressivo com a namorada – ele, inclusive, ameaçava matá-la caso ela engravidasse.

Logo após o desaparecimento das jovens, a mãe de Michele e Lidiana, Solange Santana Leite, entrou em contato com Dinai. Solange contou ao Diário de Notícias que ele garantiu que suas filhas estavam bem e tinham ido estudar em Londres, na Inglaterra. O assassino disse ainda que Michelle havia se demitido – ela era empregada doméstica – e tinha apagado sua conta no Facebook para não ser encontrada pela ex-patroa.

O desaparecimento das jovens foi reportado à Interpol no dia 11 de fevereiro. Desde então, suas famílias vinham utilizando a rede social para tentar encontrá-las. As autoridades brasileiras chegaram a suspeitar que o desaparecimento das jovens estaria ligado ao tráfico internacional de pessoas.

 Michele morava em Portugal há mais de oito anos e estava no meio do processo para obter sua cidadania portuguesa quando desapareceu. Lidiana, sua irmã, juntou-se a ela em novembro do ano passado. Thayane chegou a Lisboa pouco antes do desaparecimento, no dia 28 de janeiro de 2016. As irmãs eram naturais de Campanário, Minas Gerais, enquanto Tahyane era capixaba.

Fonte Veja

    Comentar
    Comentar

1 Comentários:

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br