Caso Valter Nunes - Quatro réus são julgados pelo assassinato do advogado Valter Nunes de Almeida

Enviar no WhatsApp
Juri de ex-presidente da OAB advogado Valter Nunes de Almeida segue em Cacoal

O segundo dia de julgamento dos acusados de matar o advogado Valter Nunes ex-presidente da seccional da OAB Cacoal, começou com o depoimento da nona testemunha do caso. O crime ocorreu em março de 2007, na cidade de Cacoal, e é julgado pelo Tribunal do Júri da comarca, instalado no auditório da Unir.

Caso Valter Nunes - 2º dia de julgamento, Juiz Carlos Burck faz intervenções para acalmar os ânimos e mais objetividade

No primeiro dia, oito testemunhas de acusação depuseram, desde pessoas que estiveram ou trabalharam no escritório onde ocorreu o crime, assim como dois delegados da Polícia Civil, que falaram a respeito da investigação do caso.

Caso Valter Nunes - 2º dia de julgamento, Juiz Carlos Burck faz intervenções para acalmar os ânimos e mais objetividade

Durante todo o dia, os promotores de Justiça e os advogados de defesa se revezaram nas perguntas às testemunhas. Em alguns momentos, o juiz Carlos Burck, que preside o julgamento, fez intervenções no sentido de amainar os ânimos e cobrar mais objetividade nas indagações.

Caso Valter Nunes - 2º dia de julgamento, Juiz Carlos Burck faz intervenções para acalmar os ânimos e mais objetividade

Os sete jurados sorteados para essa sessão de julgamento permaneceram isolados após a suspensão dos trabalhos, determinada pelo juiz por volta das 21h de ontem, 21. Todos foram acomodados em quartos de hotel, acompanhados de oficiais de Justiça e policiais militares.

Os réus, que respondem ao processo em liberdade, acompanham o julgamento no plenário e são defendidos por oito advogados. Diógenes Nunes, Roberto Harlei e Marcos Vilela defendem a ré Vera Nunes de Almeida; Abádio Rezende defende Sóstenes Alencar Ferreira.

Caso Valter Nunes - 2º dia de julgamento, Juiz Carlos Burck faz intervenções para acalmar os ânimos e mais objetividade

Esses dois primeiros são acusados de terem contratado os supostos executores do crime: Jonas de Freitas, que tem como advogado Rouscelino Borges, e Cássio de Jesus Claros, defendido por Valdinei Santos. Os promotores de Justiça Diogo Boghossian e Valéria Canestrini representam o Ministério Público na acusação.

O Observador

    Opiniões
    Opiniões

0 Comentários:

Postar um comentário

Não aceitamos:

- Agressões e insultos contra autores, outros comentaristas e personagens citados nas colunas e matérias
- Declarações sexistas, xenófobas ou racistas
- Informações falsas
- Propaganda comercial
- Evite digitar em Maiúsculo

 
Copyright © 2016. Cacoal NEWS Todos os Direitos Reservados
Du Pessoa© Web Sites (69) 9366 7066 WhatsApp | www.dupessoa.com.br