Menu Right

Top Social Icons

Publicidade
Publicidade
73 9 8888 1488
WhatsApp
WhatsApp

07/12/2016

Prefeito e servidores são afastados após operação em Pimenta Bueno

Foram cumpridos 8 mandados de busca e apreensão e 5 conduções. Operação Hermes investiga esquema de isenção irregular de impostos.

O Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), e Polícia Civil deflagraram nesta terça-feira (6) a Operação Hermes, que investiga um suposto esquema  de isenção irregular de impostos na prefeitura de Pimenta Bueno (RO), a 520 quilômetros de Porto Velho. Na ação, o prefeito Jean Mendonça (PTB) e mais quatro servidores da prefeitura foram afastados do cargo.

Prefeito e servidores são afastados após operação em Pimenta Bueno

Segundo o MP, por ordem do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia (TJ-RO) foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão, com apoio também do Centro de Atividades Judiciais (Caej). Nesta terça, o prefeito Jean Mendonça e mais quatro servidores da prefeitura foram conduzidos coercitivamente, ou seja, quando é obrigado a ir prestar informações, e também tiveram suas funções públicas suspensas por 30 dias.

De acordo com o prs ficais irregulares por parte do prefeito Pimenta de Bueno, que supostamente beneficiou alguns empresários com a não cobrança e o cancelamento de impostos. "Além da condução coercitiva dos evolvidos foram feitas buscas na prefeitura, residências e em uma empresa. Os agentes públicos foram afastados de suas funções, para não comprometer as investigações", revela. Segundo o procurador, os investigados estariam coagindo auditores fiscais do município para que não fizessem o lançamento de cobranças de tributos as empresas investigadas.

"Conforme foi apurado, o prefeito e os quatro servidores afastados estariam aplicando isenções ficais irregulares a um grupo de empresas de diversos setores, porém ainda não sabemos o tamanho do prejuízo provocado aos cofres do município com esta renúncia fiscal. Estamos investigando ainda se o prefeito e os demais servidores teriam recebido algum favorecimento com a ação", explica.

De acordo com o promotor de justiça Matheus Gonçalves Sobral, a investigação começou há mais de ano após o MP receber denúncia de auditores ficais do município. "Um grupo de auditores fiscais da prefeitura fez uma reclamação na Promotoria denunciando, que estariam   supostamente coagidos pelo prefeito e os servidores afastados para não fazer fiscalizações a determinadas empresas. A partir daí tiveram início as investigações", aponta.

Prefeito e servidores são afastados após operação em Pimenta BuenoEntre os tributos que deixaram de ser cobrados ou foram cancelados indevidamente, segundo o MP, estão o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), o Imposto de Transmissão  de Bens Imóveis InterVivos (ITBI) e o Programa de Recuperação Fiscal (Refis). Ainda de acordo com o MP, o grupo é suspeito de montar um esquema criminoso dentro da prefeitura para praticar crimes contra a ordem tributária, associação criminosa, falsidade ideológica e peculato eletrônico.

O prefeito e os servidores investigados foram conduzidos para a sede MP, no município, onde serão ouvidos durante todo o dia pelos investigadores. A assessoria de comunicação da prefeitura não se manifestou sobre a operação.

O G1 também tentou contato com os advogados dos investigados, porém todos estavam acompanhando os depoimentos dos suspeitos e não se pronunciaram sobre o caso. O nome da Operação Hermes é uma referência a um dos deuses olímpicos, filho de Zeus e de Maia, e possuidor de vários atributos. Segundo a mitologia grega, Hermes tornou-se mensageiro dos deuses e patrono dos comerciantes.

Rogério Aderbal
Do G1 Cacoal e Zona da Mata

Copyright © 2016 Cacoal NEWS | Du Pessoa Serviços Digitais.
UNOPAR_CACOAL