Menu Right

Top Social Icons

Publicidade
Publicidade
73 9 8888 1488
WhatsApp
WhatsApp

23/05/2017

Vice-prefeito de Porto Velho é citado em delação da JBS, teria recebido R$ 3,8 milhões e se afasta do cargo

Segundo as denúncias, dinheiro pago para Edgar do Boi era em troca de benefícios fiscais. Assista trecho da delação em que Valdir Boni cita o vice-prefeito.

O vice-prefeito de Porto Velho, Edgar Nilo Tonial, conhecido como Edgar do Boi (PSDC), informou neste sábado (20) que irá se afastar do cargo após seu nome ter sido citado nas delações de executivos da JBS. No depoimento de Valdir Aparecido Boni, divulgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ele diz que teriam sido pagos cerca de R$ 4 milhões de propina em troca de benefícios fiscais. Edgar do Boi encaminhou nota à imprensa dizendo que irá se afastar para se dedicar à sua defesa. O G1 tentou entrar em contato com o Egdar, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.

Vice-prefeito de Porto Velho é citado em delação da JBS e se afasta do cargo

Na delação, Valdir Aparecido Boni disse que entre 2012 e 2014 pagou cerca de R$ 2 milhões e em 2015 mais R$ 1,8 mil de propina em troca de benefícios fiscais no estado de Rondônia.
Após adquirir fábricas da Guaporé Carnes em Rondônia, segundo Boni, a JBS foi procurada para uma reunião. No encontro Boni relatou a proposta de pagamento de propina a uma empresa de contabilidade e também a Edgar Nilo Tonial.

Os pagamentos, segundo depoimento de Valdir, eram enviados a um banco da filial da JBS em Porto Velho. Um funcionário sacava o dinheiro em espécie e entregava ao contador da empresa. Após o anúncio do afastamento do vice-prefeito, o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), convocou coletiva de imprensa para a noite deste sábado onde deve se pronunciar sobre o caso.

Assista ao trecho do depoimento em que Valdir Aparecido Boni cita o vice-prefeito de Porto Velho.

Início - Valdir afirma que, em 2012, a JBS comprou as fábricas da empresa Guaporé Carnes em Rondônia e Mato Grosso. Em Rondônia, ele afirma ter se reunido na sede do PSDC com o contador da Guaporé (Nilton Amaral), um propritário de um escritório contábil (Clodoaldo) e Edgar Nilo Toneal, conhecido como Edgar do Boi e atual vice-prefeito de Porto Velho. Lá, o grupo decidiu que conseguiria créditos "ilegítimos" à JBS e, em troca, receberiam 30% do valor em propina.

06'58'' - Diz que, de 2012 a 2014, a JBS pagou R$ 2 milhões em propina e, entre janeiro e agosto de 2015, R$ 1,8 milhão da mesma forma. "Só que aí mudou um pouquinho. O que mudou? Esse escritório do Clodoaldo passou a emitir notas fiscais. Então a gente recebia as notas, registrava e eu dava o comando pra empresa, com autorização do Wesley, pra fazer o pagamento. Isso deu um montante de R$ 1,8 milhões, mais ou menos."

08'56'' - Valdir conta que esse acordo durou até agosto de 2015. "Em função da mudança de comportamento do país, veio uma determinação do Wesley pra gente reduzindo gradativamente a operação até zerar. No final de 2015, nós paramos com essa operação." Mesmo, assim, ele diz que precisou negociar um pedido de propina de Clodoaldo sobre os anos em que as fábricas da JBS em Rondônia ficaram sem fiscalização do governo local. 

Leia na íntegra a nota do vice-prefeito pedindo afastamento da prefeitura após a delação da JBS:

"Diante das denúncias divulgadas pela imprensa, e que envolve meu nome, acatei a solicitação do prefeito Dr. Hildon Chaves, de afastamento das minhas atividades para que possa me dedicar integralmente a minha defesa. Neste momento grave da vida política nacional, entendo que não posso me transformar num obstáculo ao grande governo que está sendo promovido na cidade de Porto Velho e, por esta razão, reitero meu pedido de afastamento, mantendo-me sempre na torcida de que o governo municipal tenha êxito nas suas atividades."

Cacoal NEWS
Da Redação

Copyright © 2016 Cacoal NEWS | Du Pessoa Serviços Digitais.
CACOAL_NEWS