Menu Right

Top Social Icons

Responsive Full Width Ad

27/08/2016

Corpos de 3 brasileiras de 16, 21 e 28 anos são encontrados em poço em Portugal

Os corpos de três brasileiras que estavam desaparecidas desde o fim de janeiro foram encontrados nesta sexta-feira, no fundo de um poço de um hotel para cachorros nos arredores de Cascais, a 25 quilômetros de Lisboa. As jovens são as irmãs Michele Santana Ferreira, de 28 anos, e Lidiana Neves Santana, de 16, e a amiga delas, Thayane Milla Mendes, 21 anos. Segundo a imprensa portuguesa, Michele estava grávida de três meses.

temp

A operação policial que encontrou os corpos das jovens foi dirigida pela Polícia Judiciária de Portugal, que foi avisada sobre a localização dos corpos pela Interpol após a confissão do crime pelo namorado de Michele, Dinai Alves Gomes, à Polícia Federal no Brasil. “O alegado autor [dos crimes] já estava no Brasil e, através da investigação das autoridades portuguesas e brasileiras, o suspeito foi detido e foi possível localizar os corpos”, explicou o comandante dos Bombeiros, Pedro Araújo, ao jornal português Diário de Notícias.

De acordo com uma amiga das jovens, o brasileiro Dinai Gomes morava e trabalhava em Cascais, no hotel para cachorros onde os corpos foram encontrados. Ele voltou para o Brasil logo após o desaparecimento das mulheres, sem dar informações para seus empregadores. Segundo familiares das irmãs assassinadas, uma amiga revelou que Gomes costumava ser agressivo com a namorada – ele, inclusive, ameaçava matá-la caso ela engravidasse.

Logo após o desaparecimento das jovens, a mãe de Michele e Lidiana, Solange Santana Leite, entrou em contato com Dinai. Solange contou ao Diário de Notícias que ele garantiu que suas filhas estavam bem e tinham ido estudar em Londres, na Inglaterra. O assassino disse ainda que Michelle havia se demitido – ela era empregada doméstica – e tinha apagado sua conta no Facebook para não ser encontrada pela ex-patroa.

O desaparecimento das jovens foi reportado à Interpol no dia 11 de fevereiro. Desde então, suas famílias vinham utilizando a rede social para tentar encontrá-las. As autoridades brasileiras chegaram a suspeitar que o desaparecimento das jovens estaria ligado ao tráfico internacional de pessoas.

 Michele morava em Portugal há mais de oito anos e estava no meio do processo para obter sua cidadania portuguesa quando desapareceu. Lidiana, sua irmã, juntou-se a ela em novembro do ano passado. Thayane chegou a Lisboa pouco antes do desaparecimento, no dia 28 de janeiro de 2016. As irmãs eram naturais de Campanário, Minas Gerais, enquanto Tahyane era capixaba.

Fonte Veja

Responsive Full Width Ad

Copyright © 2018 Cacoal NEWS - Notícias de Cacoal e Região | Du Pessoa Serviços Digitais (73) 9 8888 1488
Cacoal_NEWS