Na Mídia

Oi, o que você está procurando?

Nacional

Plano de “diplomacia do orangotango“ da Malásia é considerado “obsceno“

A China tem a “diplomacia panda”, a Austrália exibe coalas em cúpulas globais. Agora a Malásia planeja se juntar à tendência da Ásia-Pacífico para embaixadores adoráveis, dando orangotangos de presente aos países que compram seu óleo de palma.

plano-de-“diplomacia-do-orangotango“-da-malasia-e-considerado-“obsceno“-|-cnn-brasil

A China tem a “diplomacia panda”, a Austrália exibe coalas em cúpulas globais. Agora a Malásia planeja se juntar à tendência da Ásia-Pacífico para embaixadores adoráveis, dando orangotangos de presente aos países que compram seu óleo de palma.

Porém, a ideia tem sido alvo de fortes críticas de conservacionistas, que observam que o óleo de palma é um dos maiores fatores por trás do declínio dos grandes primatas. Segundo um renomado professor de conservação, o plano é “obsceno”.

O óleo de palma, produto vegetal mais consumido do mundo, é usando em tudo: de xampu e sabonetes a sorvete. A limpeza de terrenos para plantações de óleo de palma tem sido uma das principais causas do desmatamento, a maior ameaça à sobrevivência dos orangotangos criticamente ameaçados.

A Malásia é o segundo maior exportador mundial de óleo de palma depois da Indonésia.

A produção é vital para a economia e, nos últimos anos, funcionários do governo têm se esforçado para defender e reformular a indústria, introduzindo iniciativas para apoiar a sustentabilidade – como a melhoria das práticas agrícolas e a emissão de certificados verdes endossados pelo governo para empresas que atendem aos padrões de sustentabilidade.

Em uma cúpula de biodiversidade fora da capital Kuala Lumpur na quarta-feira (8), o ministro de plantações e commodities da Malásia anunciou planos para a “diplomacia do orangotango.”

Na esperança de reproduzir a diplomacia do panda chinês, na qual Pequim exerce poder de influência ao emprestar seu amado animal nacional a zoológicos no exterior,  o governo da Malásia espera presentear com orangotangos alguns de seus maiores parceiros comerciais, disse ele.

Tais parceiros “estão cada vez mais preocupados com o impacto das commodities agrícolas no clima”, disse o ministro Johari Abdul Ghani. “É uma estratégia diplomática que seria vantajosa para os parceiros comerciais e as relações exteriores, especialmente nos principais países importadores como a União Europeia, a Índia e a China.”

Ghani não forneceu mais detalhes, como uma linha do tempo ou como os animais seriam adquiridos – mas incentivou os gigantes do óleo de palma a “colaborar” com grupos ambientais locais no cuidado dos macacos gigantes ameaçados.

“Isso será uma manifestação de como a Malásia conserva espécies selvagens e mantém a sustentabilidade de nossas florestas, especialmente na indústria de plantações de óleo de palma”, disse ele.

O anúncio gerou uma rápida reação dos conservacionistas. “É obsceno, repugnante e extremamente hipócrita destruir florestas tropicais onde os orangotangos vivem, levá-los embora para obter favores de outras nações”, disse Stuart Pimm, presidente de ecologia da conservação na Universidade Duke, à CNN. “Isso vai totalmente contra como deveríamos protegê-los e proteger nosso planeta.”

Pimm também observou que ofensivas encantadoras com animais fofinhos geralmente são seguidas por esforços de conservação mais amplos e de longo prazo.

“Há uma enorme diferença entre o que a Malásia está propondo e o que a China fez pelos pandas gigantes”, disse ele. “A China tem instalações de última geração para pandas e, mais importante, estabeleceu áreas protegidas que protegem as populações de pandas selvagens. O que o governo da Malásia está propondo é praticamente incomparável.”

A CNN entrou em contato com Ghani e com o Ministério de Plantações e Commodities da Malásia para mais comentários sobre o programa de orangotangos proposto e como planeja garantir que apoiará a conservação e a sustentabilidade.

Grupos ambientais e de conservação também se opuseram fortemente à ideia, pedindo que as autoridades da Malásia trabalhem para reverter as taxas de desmatamento, que atribuem, em grande parte, ao óleo de palma.

Publicidade: Deslize a página para continuar lendo.

Entre 2001 e 2019, o país perdeu mais de 8 milhões de hectares de cobertura florestal, de acordo com um relatório de 2022 do World Wildlife Fund (WWF), uma área quase tão grande quanto o estado americano da Carolina do Sul.

“A superfície terrestre da Malásia já foi quase totalmente coberta por florestas”, disse o WWF em seu relatório florestal, citando ameaças duradouras, como o cultivo de óleo de palma e a exploração madeireira insustentável.

De acordo com um relatório de 2023 da agência de vigilância climática Rimba Watch, mais 2,3 milhões de hectares de florestas na Malásia foram destinados à produção de óleo de palma.

“A diplomacia do orangotango não resolverá a crise de desmatamento na Malásia”, disse à CNN Heng Kiah Chun, estrategista de campanha regional do Greenpeace Sudeste Asiático. “Se o governo da Malásia está realmente comprometido com a conservação da biodiversidade, deve implementar políticas contra o desmatamento.”

Conservação crucial

Orangotangos são os maiores animais que habitam árvores, conhecidos por passar a maior parte de suas vidas balançando nas copas de florestas tropicais.

Os pesquisadores notaram sua incrível inteligência e capacidade de demonstrar habilidades como tratar instintivamente feridas com ervas medicinais ou usar galhos de árvores, paus e pedras como ferramentas para quebrar objetos duros como nozes.

Os macacos dóceis, uma vez encontrados em maior número em todo o sudeste asiático, experimentaram uma queda populacional acentuada, de acordo com um relatório da WWF Malásia, principalmente em Bornéu, a grande ilha compartilhada entre a Malásia, a Indonésia e o pequeno sultanato de Brunei.

“Em 1973, Bornéu abrigava cerca de 288.500 orangotangos. Em 2012, os números haviam caído quase dois terços, para 104.700 e o declínio continuou”, disse o relatório da WWF.

Acredita-se que ainda existam cerca de 100 mil orangotangos em Bornéu e 14 mil na ilha de Sumatra, na Indonésia, acrescentou.

“Os orangotangos estão em criticamente ameaçados. Portanto, é crucial que todos os habitats de orangotangos restantes sejam conservados”, disse a WWF Malaysia à CNN em um comunicado.

“Um compromisso com a melhoria da gestão florestal e a produção sustentável de óleo de palma seria a melhor maneira de demonstrar o compromisso da Malásia com a conservação da biodiversidade,” disse a WWF Malásia.

“A conservação do orangotango é melhor alcançada garantindo a proteção e conservação de seus habitats naturais – e que nenhuma outra conversão florestal em plantações de óleo de palma é permitida.”

Da Redação
CNN Brasil
Foto: Reprodução/Internet

Aviso Legal: Comentários e Opiniões

Os comentários e opiniões dos usuários são de responsabilidade exclusiva de seus autores. O Grupo Cacoal NEWS não endossa nem se responsabiliza por qualquer conteúdo expresso nos comentários, e reserva-se o direito de remover, modificar ou não aprovar comentários que violem nossas políticas editoriais ou que possam ser considerados inadequados.

Postar Comentário

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA TAMBÉM

Rondônia

Acidente fatal na BR-364 em Ji-Paraná: Motorista perde a vida após colisão com carreta. Detalhes aqui.

Cacoal

Um jovem enfrentou um acidente grave na tarde deste domingo na Rodovia 208, nas proximidades da pitoresca Lagoa Azul, em Cacoal.

Cacoal

Casal de idosos envolve-se em acidente de carro em Cacoal após confusão nos pedais.

Cacoal

Acidente trágico em Cacoal resulta na morte de Leonilton Gomes de Souza, eletricista de 40 anos, após colisão com carreta.

Publicidade